Justiça determina que município suspenda aumento de salários de prefeito, do vice-prefeito, dos secretários e vereadores

Juíza de Direito Impede o aumento nos subsídios do prefeito, do vice-prefeito, dos secretários municipais e dos vereadores.

 

A Juíza de Direito Luiza Vieira Sá Figueiredo, da Vara de Fazenda Pública da Comarca de Corumbá, julgou procedente a ação civil pública proposta pelo Ministério Público Estadual, por meio do Promotor de Justiça da Comarca de Corumbá, Luciano Bordignon Conte e impediu o aumento nos subsídios do prefeito, do vice-prefeito, dos secretários municipais e dos vereadores do Município de Corumbá, por violação da Lei de Responsabilidade Fiscal.

 

Conforme conta nos autos, o Município de Corumbá promulgou duas Leis Municipais, respectivamente n.º 2.555 e 2.556, em 27 de outubro de 2016, que fixaram os subsídios mensais dos Vereadores, dos Secretários Municipais, do Vice-Prefeito e do Prefeito, todos do Município de Corumbá/MS, para o mandato 2017/2020.

 

Pela legislação impugnada, o prefeito municipal, que recebia 26 mil reais mensais, passaria a receber R$ 32.500,00 mensais no período de 2017/2020. Já o vice-prefeito que recebia R$ 15 mil, passaria a receber R$ 18.750,00; enquanto os secretários municipais que tinham um salário de 12.480,00, começariam a receber R$ 15.600,00 e, os vereadores de R$ 10 mil reais, passariam a receber um salário no valor de R$ 12.500,00.

 

O Ministério Público apontou violação ao artigo 21, parágrafo único, da Lei de Responsabilidade Fiscal (Lei Complementar Federal nº 101/2000), já que as Leis Municipais foram promulgadas em 27 de outubro de 2016, de maneira que o ato implicou em aumento de despesa com pessoal no período de 180 (cento e oitenta) dias anteriores ao final do mandato dos membros do Poder Legislativo e do Poder Executivo de Corumbá/MS.

 

De acordo com Promotor de Justiça, o impacto financeiro desse aumento no período de 2017 a 2020 seria de aproximadamente R$ 3.340.320,00 (três milhões trezentos e quarenta mil e trezentos e vinte reais) ao Município.

 

No ano passado, a juíza Luiza Vieira Sá de Figueiredo já havia acatado o pedido do Ministério Público de Mato Grosso do Sul e concedido TUTELA DE URGÊNCIA, em caráter LIMINAR, suspendendo o aumento nos salários. Agora, a sentença é definitiva.

 

Fonte: Assecom MPMS

 

Compartilhe no Facebook
Compartilhe no Twitter
Please reload

MARACAJU: VILMAR DA ERA DO GELO tem registro deferido pela Justiça Eleitoral

19.10.2020

1/18
Please reload

A partir do recebimento da denúncia, STJ pode afastar REINALDO AZAMBUJA a qualquer momento

16/10/2020

1/18
Please reload

mega_fone_cidadão..jpg

RW apresenta Noticiário ao vivo das 19h00 ás 20h00 a partir desta quarta feira

10.4.2019

1/5
Please reload